HORTA 2 MANUTENÇÃO

Atenção, abrir em uma nova janela. PDFImprimirE-mail

HORTA 2
Manutenção da Horta

A pouco tempo atras escrevemos um artigo sobre como fazer uma horta. Agora voltamos com uma nova publicação e veja o que diz Leonardo Santos da Silva, aluno da Escola Estadual São José: "Nesse percurso da criação da horta estou aprendendo e vendo o trabalho que dá cuidar de alimentos antes de chegar em nossa mesa.Vejo que são várias dificudades no meio deste percurso: pragas, ervas daninhas, sementes entre outros.Temos que estar preparados para qualquer ocasião que possa ocorrer, mais não podemos desistir, pois  se desistimos cedo demais de uma coisa que não deu certo sem pensar nas recompensas que teremos depois, por isso acho que não devemos desistir fácil. Mais ja no percurso está sendo muito legal cuidar da horta regar todo dia, pra mim ja virou uma rotina e uma lição de cada dia, cuidar da horta ver como andam as coisas ver o crescimento das plantas entre outros. Bom é isso!!!" É isso ai Leonardo, vamos em frente!! Clique no leia mais para ver todo o texto.

Manutenção da Horta


A pouco tempo atras escrevemos um artigo sobre como fazer uma horta Agora voltamos com uma nova publicação e veja o que diz Leonardo Santos da Silva, aluno da Escola Estadual São José: "Nesse percurso da criação da horta estou aprendendo e vendo o trabalho que dá cuidar de alimentos antes de chegar em nossa mesa.Vejo que são várias dificudades no meio deste percurso: pragas, ervas daninhas, sementes entre outros.Temos que estar preparados para qualquer ocasião que possa ocorrer, mais não podemos desistir, pois  se desistimos cedo demais de uma coisa que não deu certo sem pensar nas recompensas que teremos depois, por isso acho que não devemos desistir fácil. Mais ja no percurso está sendo muito legal cuidar da horta regar todo dia, pra mim ja virou uma rotina e uma lição de cada dia, cuidar da horta ver como andam as coisas ver o crescimento das plantas entre outros. Bom é isso!!!" É isso ai Leonardo, vamos em frente!!

Nesse artigo vamos falar mais sobre como fazer a manutenção da horta que construimos. Para a manutenção da horta caseira ou pedagógica (horta escolar), é essencial que se proceda a um conjunto de métodos de forma eficaz, tais como: o desbaste: a horta tem que ser mantida limpa, as ervas daninhas e outras sujidades devem ser retiradas diariamente com a mão. A rega regular: a horta deve ser regada duas vezes ao dia em dias quentes; o solo não pode ficar encharcado para evitar o aparecimento de fungos;

A rotação de culturas: técnica agrícola de conservação que visa diminuir a exaustão do solo, trocando as culturas a cada novo plantio de forma que as necessidades de adubação sejam diferentes a cada ciclo. Aplicando esta técnica, melhoramos o controle de plantas daninhas e insectos, pela quebra de seu ciclo de desenvolvimento, variação da absorção de nutrientes, e ainda variação radicular explorando de diferentes formas o solo. Sendo assim, as turmas envolvidas devem desde cedo organizar-se no sentido de assegurar que tudo corre pelo melhor. A cada colheita, deve ser feita a reposição do adubo para garantir a qualidade da terra e das hortaliças.


Ervas Daninhas

As ervas daninhas aparecem sempre nos lugares que menos desejamos, e por mais que as retiremos, voltam sempre mais cedo ou mais tarde. Na realidade a erva daninha é mesmo assim, e o combate ao seu aparecimento no jardim tem que obrigatoriamente ser periódico.
Uma técnica de combate à erva daninha caseira, que, quando bem feita, obtém resultados muito bons, é retirar todas as ervas daninhas existentes na zona afectada; depois de limpo, aplicar à volta das plantas folhas de jornal molhadas em camadas sobrepostas; é importante colocar entre 8 a 10 camadas, pois se não forem suficientes não será efectivo; o papel permite que a água passe para baixo, mas surpreendentemente as ervas daninhas têm grande dificuldade em ultrapassar esta barreira (o mesmo não acontece com o plástico). A grande vantagem é que o papel é biodegradável e não polui o ecossistema da mesma maneira que os herbicidas. Quando cobrir a zona desejada, tapar o jornal com um pouco terra o que dará um aspecto bonito ao canteiro, escondendo a barreira contra as ervas daninhas.
No entanto, quando bem utilizadas, as ervas daninhas são dos melhores companheiros para as plantas cultivadas; como é óbvio, nunca se deve permitir que as infestantes abafem as outras plantas mas em pequena quantidade exercem uma boa influência: as extensas raízes das ervas daninhas penetram o subsolo fendendo-o e tornando mais fácil para as raízes das plantas a penetração mais funda em busca de água e nutrientes. Algumas são úteis por fornecerem sombra e manterem a humidade nas plantinhas, evitando que sequem sob os raios solares. Além disso, a humidade do subsolo passa por capilaridade pelo exterior das raízes das ervas daninhas chegando ao nível em que as plantinhas a podem aproveitar.
Outra característica interessante é que as ervas daninhas parecem possuir a propriedade de acumularem os nutrientes em que um determinado solo é deficiente. As ervas daninhas também melhoram o solo por acção do seu sistema radicular, que fornece matéria orgânica ao solo, aumentando o teor deste e o do subsolo em húmus.
Se num terreno as ervas daninhas têm um aspecto viçoso, provavelmente esse terreno será fértil para as plantas cultivadas. Alguns manuais aconselham que se deixe que essas ervas cresçam, mas efectuar o seu corte antes que produzam semente, e deixá-las murchar durante uns dias para depois proceder ao seu enterramento como estrume verde. Poderá também melhorar o composto orgânico incorporando nele as ervas daninhas.

Agora vamos dar mais algumas dicas de como fazer e manter uma, com os passos básicos. Uma idéia gostosa e saudável. ótima para relaxar, passar umas horas distraída, uma terapia e ainda traz uma alimentação pura e saudável para sua casa. Para manter uma horta caseira com temperos e algumas hortaliças para o consumo de alimentos frescos diariamente. Você pode montá-la em qualquer espaço: jardins, vasos, garrafas plásticas, jardineiras e em horta verticais. Preparar o alimento, um suco ou uma pizza com folhinhas e hortaliças colhidas na hora é um privilégio. Confira algumas dicas de como montar sua horta com orientações sobre substrato para jardineiras, adubação e tratamentos contra pragas ecologicamente corretos.

Horta orgânica

 

Dicas de como Plantar:

  • Diversas ervas aromáticas, condimentares e medicinais podem compor um jardim útil e perfumado. Muitas são de pequeno porte e tão fáceis de cultivar que podem ser plantadas até em pequenos vasos ou jardineiras, formando um belo conjunto ornamental.
  • Alecrim, camomila, melissa, erva doce, hortelã, manjericão e sálvia são apenas alguns exemplos. Algumas ervas preferem crescer em local aberto e ensolarado, enquanto outras conseguem crescer bem até à meia-sombra. Por essa razão, é importante conhecer as exigências de cada uma delas.

Como preparar o solo:

  • Tanto no jardim como em vasos, o solo ideal para o plantio de ervas aromáticas deve ser leve, poroso, leve, bem drenado e arejado, para favorecer a circulação do ar e da água – essenciais para o bem desenvolvido das plantas. A adição de areia e matéria orgânica à terra comum do jardim torna-se essencial para garantir essas condições.

Para o plantio em vasos e jardineiras, recomenda-se a seguinte mistura:

  • 1/3 da terra comum;
  • 1/3 de adubo orgânico bem curtido;
  • 1/3 de areia grossa lavada ou vermiculita.

 .

Plantio passo a passo

  • Coloque no fundo uma camada de cascalho ou argila expandida para garantir a drenagem e em seguida um pedaço de manta de drenagem.
  • Coloque o solo já preparado e plante a muda no centro de vaso, tomando cuidado para não ultrapassar o colo da planta.
  • Complete com terra e regue.

Neste artigo iremos também salientar a importância da horta orgânica e apresentaremos a importância e as principais funções das vitaminas e dos sais minerais para o corpo humano, observando que as verduras, ervas e legumes são as melhores fontes desses nutrientes.


1. Escolha do local 
As hortaliças precisam receber, no mínimo, cinco horas de luz solar por dia. Por isso, o ideal é instalar a horta na varanda ou junto à janela. Prefira locais que recebem sol pela manhã. 
2. Onde plantar? 
Em qualquer vasilhame, de jardineiras a jarros (com volume mínimo de 1 litro) até canos de PVC (de 30 cm de diâmetro) cortados ao meio. Dá para usar também garrafas PET de 2 litros (cortadas acima da metade), utensílios de casa fora de uso, como saladeiras, panelas, vasos, jarras, carrinhos de mão etc. É preciso sempre furar embaixo para a drenagem da água. 
3. Preparo do solo 
Melhor comprar terra pronta, com matéria orgânica, nitrogênio, fósforo e potássio, aconselha o técnico agrícola Adejar Gualberto Marinho, da Embrapa Hortaliças. “O ideal é que a terra tenha pH 6. Se o solo for ácido demais, as plantas não vingarão”, afirma. 
4. Seleção das culturas 
Opte por hortaliças com raízes curtas, como alface, coentro, cebolinha, salsa, pimentão e couve-folha, ou até frutas de pequeno porte, como tomate-cereja e morango. Vegetais de raízes longas, como cenoura, rabanete e mandioquinha, não se adaptam bem a solos pouco profundos 
5. Cuidados no plantio 
A plantação começa com sementes ou mudas, dependendo da cultura. Pesquise o espaçamento ideal de cada planta para que ela cresça plenamente. Um pé de alface, por exemplo, deve ser plantado a 20 cm dos demais, enquanto para tomate e couve a distância sobe para 35 cm. 
6. Rega e manutenção 
No início, regue três vezes por dia até que a semente germine ou a muda pegue. Depois, basta uma rega diária, de preferência pela manhã. Retire plantas invasoras e proteja a horta de insetos, principalmente borboletas. Seus ovos viram larvas, que se alimentam das plantas.

Os tratos culturais necessários para a manutenção de uma horta serão descritos, e é necessário estar atento ao desenvolvimento de cada cultura no campo para se detectar o momento correto de serem aplicados.

Uma sintese de todo o precesso

 

Cuidados na sementeira – Na sementeira prepara-se a muda que vai para o campo. É uma época de muitos cuidados porque uma muda saudável gera um planta produtiva. Na sementeira a terra deve ser limpa de doenças e sementes de outras ervas para evitar doenças e competição; deve-se dar preferência a solos arenosos, onde a germinação das sementes é mais fácil e evita-se o encharcamento. A sementeira deve ser coberta para evitar a incidência direta de raios solares e chuva. A cobertura pode ser feita com palha, bambu, tela, plástico.

Transplantes – é a passagem da muda da sementeira para o canteiro e só pode ser realizada quando a planta já tem folhas definitivas e raiz desenvolvida. Não confundir as folhas definitivas com as primeiras folhas que surgem. A época de transplante varia para cada cultura, mas pode-se tomar como regra que a muda tenha entre 4 e 8 folhas definitivas.

Rega – A irrigação é responsável pelo aporte de água ao plantio. A água tem funções diversas como fornecer água para germinação da semente, desenvolvimento da planta, solubilizar os nutrientes do solo para disponibilizá-los para as plantas. Existem vários tipos de irrigação; em pequenas áreas recomenda-se o uso de mangueira, regador ou ainda sistema de irrigação por aspersão. Plantas de ciclo curto e pequeno porte são mais sensíveis à falta de água. A fase de sementeira exige regas diárias, sendo aconselhável que seja feita duas vezes ao dia. A irrigação deve ser realizada, sempre, nas horas mais frescas do dia. Uma forma de determinar a necessidade de rega é verificar qual a umidade do solo a uma profundidade media de 10 cm.

Rotação de culturas – ao planejar um canteiro, deve-se evitar o plantio sucessivo de uma mesma cultura, assim como plantas da mesma família. A rotação reduz a chance de aparecerem doenças e pragas e possibilita um melhor aproveitamento dos nutrientes disponíveis. Uma boa seqüência a ser utilizada é: folha, raiz, flor, fruto (exemplo: alface, cenoura, brócolis, berinjela). Este método possibilita ainda o plantio sem necessidade de refazer o canteiro, utilizando-se apenas adubação de plantio.

Associação de culturas – algumas plantas gostam da companhia de outras: são as companheiras. Para maiores detalhes, acesse a página Alelopatia

Cobertura morta – utilizada para proteger o solo contra a chuva e o sol. Nos solos argilosos evita formação de crostas duras na superfície. Em solos arenosos aumenta a retenção de água no solo. Também evita a presença de ervas invasoras. Pode ser feita com palha, capim cortado, casca de arroz ou outro material disponível. Não deve ser incorporado ao solo.

Controle de ervas – as ervas invasoras tem aspectos positivos e negativos para o desenvolvimento da cultura. São positivos a atração de insetos, a cobertura do solo, a produção de massa verde que pode ser usado na compostagem. São negativos a competição por água e nutrientes e insolação. As ervas devem ser controladas quando se verificar competição (exemplo, o mato está mais alto que a cultura plantada).

Adubação verde – consiste no plantio de leguminosas junto, ou antes, da cultura pretendida. A adubação verde melhora o solo, trazendo nutrientes de partes mais profundas, elimina nematódeos, cobre o solo com muita massa verde e incorpora ao solo o nitrogênio que as leguminosas captam do ar. Tipos de leguminosas mais usados: guandu, mucuna-preta, mucuna-anã, feijão de porco, puerária e leucena. Estas plantas podem ser usadas em rotação nos canteiros, associadas ao milho ou em terras em descanso. Podem ainda ser aproveitadas para alimentação animal, humana (guandu) e como lenha (guandu). Em solos compactados convém anteceder o plantio da horta com cultivo de leguminosas.


Adubação – refere-se ao aporte de nutrientes às plantas, que é feita pela aplicação de adubos orgânicos ou químicos na terra. O adubo se dissolve na água do solo e penetra pelas raízes. Pode-se realizar adubação de plantio e de cobertura. Adubo de plantio é aplicado no canteiro antes do plantio. Adubo de cobertura é usado nas fases posteriores, quando a planta precisa de força para formar cabeça, frutificar, rebrotar ou amadurecer os frutos ou até para aumentar o tamanho e o número de folhas em culturas de ciclo mais longo. Para uma horta orgânica a adubação tem como base o composto, húmus, ou qualquer outro adubo orgânico maduro.

Desbaste – no plantio definitivo é necessário diminuir o número de plantas no canteiro possibilitando um maior desenvolvimento das plantas que ficam.


Amontoa – juntar terra no pé das plantas (para couve, brócolis, beterraba, e outras).

Estaqueamento - suporte para plantas trepadeiras; usado para ervilha, feijão vagem, tomate, pepino. Pode também utilizar a cerca da horta ou pés de milho já colhidos.

Controle de pragas – considera-se praga o ataque de inseto que cause danos sérios a plantação ou reduza a produção. Não há necessidade de controle enquanto não há dano. Os ataques podem ainda ser minimizados com a rotação de culturas, plantas bem nutridas, presença de inimigos naturais (joaninha, pássaros). O controle pode ser feito através de produtos como biofertilizante,pasta de sabão ou preparados a base de plantas. 

Aprenda a lidar com os insetos Caso a horta esteja sendo atacada por insetos, devemos analisar caso a caso. A presença de insetos variados no solo, não significa que eles devam ser mortos. Só devemos eliminar os insetos que estão atacando a planta. Uma boa diversidade de insetos é sinal de que o solo é um solo saudável, em equilíbrio. A presença de uma ou duas espécies infestando, de forma dominante, é sinal de que sua horta está desequilibrada. Para maiores detalhes sobre os insetos e como controlá-los. 

Autor: Vitorio Helatczuk

Montagem: Vitorio Helatczuk

Comentários  

 
0 #3 sandra karla 24/08/2012 09:36
eu posso colocar areia em cima do jornal para se fazer o combate de ervas daninhas.
Citação
 
 
+1 #2 Dina... 04/07/2012 22:32
Bem colocada as informações me ajudou muito,
Citação
 
 
+1 #1 LEONARDO SANTOS DA SILVA 29/06/2012 14:19
GOSTEI DESTE ARTIGO
O QUE TAMBÉM GOSTO É ESTAR PARTICIPANDO DESTA HORTA
Citação
 

Adicionar comentário